Secretária de Saúde explica situação da Dengue e Covid

No “Canal Direto com a Prefeitura”, Eliana Honain deu detalhes sobre a situação das duas doenças em Araraquara

Secretária de Saúde explica situação da Dengue e Covid

 

 

 

 

A secretaria municipal de Saúde, Eliana Honain, explicou nesta sexta-feira (23), no "Canal Direto com a Prefeitura" - programa produzido pela Secretaria Municipal de Comunicação - como estão as situações da Dengue e da Covid em Araraquara, a relação entre as duas doenças e como evitá-las.

 

De acordo com Eliana, que a partir desta segunda-feira (26) apresentará um Boletim Diário sobre a situação epidemiológica das duas doenças no município, Araraquara apresentou em janeiro deste ano 588 casos de Covid. Em fevereiro, foram notificados 2.950 casos, até esta mesma sexta-feira, somando 3.508 casos confirmados neste ano. Em relação à Dengue, foram notificados este ano 104 casos até agora.

 

Sobre a Covid, a secretária enfatizou que o número maior de casos em fevereiro se deu por conta de mais aglomerações de pessoas, que viajam de férias, e por este mês ter tido o Carnaval.

 

“O que ocorre em Araraquara é o mesmo que ocorre em todo o Brasil, principalmente por conta do Carnaval”, reiterou Eliana. Ela deixou claro, entretanto, que número atual de casos de Covid não pressiona o sistema hospitalar de Araraquara.

 

A secretária explicou que as UPAs estão com bastante demanda, porque é necessário que as pessoas façam o teste para depois passarem pelo médico e serem notificados os casos de Covid. E também para obterem o atestado, já que em caso da confirmação é necessário que a pessoa fique afastada por sete dias, a partir do início dos sintomas. “São casos mais simples, até por conta do efeito das vacinas”, ressaltou.

 

Em relação aos 104 casos de Dengue diagnosticados em Araraquara este ano, a secretária afirmou que nenhuma pessoa foi internada na cidade.

 

Semelhanças

 

Sobre os sintomas das duas doenças, Eliana disse que são muitos semelhantes. “Ambos apresentam febre alta, dores musculares e mal-estar geral. Como distingui-los? Embora os dois sintomas provoquem dores de cabeça, no caso da dengue a dor é mais concentrada atrás dos olhos, além de apresentas manchas vermelhas pelo corpo. Já a Covid apresenta tosse e dificuldade respiratória.

 

E se o teste detecta a Covid, o mesmo não ocorre em relação à Dengue, já que o teste não existe. São feitos exames laboratoriais e os resultados não são conhecidos de imediato.

 

“Embora os números de casos de dengue estejam num crescente no município, a situação está sob controle. Mas não devemos ficar tranquilos com isso”, frizou.

 

Segundo Eliana, há o controle do mosquito na cidade, são feitos bloqueios na região onde se confirma um caso, mas todas as pessoas precisam evitar os criadouros do Aedes aegypti, que gosta de água parada, sol e calor para se proliferar. “Não podemos deixar acumular água em recipientes dentro de casa ou nos quintais”, enfatizou.

 

Ainda sobre a comparação entre as duas doenças, Eliana explicou que a dengue provoca uma situação diferente da Covid, já que esta segunda tem a vacina, que evita as complicações.  

 

Atualmente, Araraquara tem 14 pacientes internados com Covid, sendo cinco de outros munícipios. Dos internados, um paciente está na UTI e nove estão em enfermarias. Eliana evidenciou que as pessoas são internadas com outras patologias, incluindo a Covid.

 

Vacinação

Sobre o sistema de vacinação contra a Covid, a secretária assegurou que todas as unidades de Saúde de Araraquara estão vacinando atualmente e que mais de 95% da população já tomou aos menos duas doses contra a doença, que é considerado esquema vacinal completo. E que a população acima dos 60 anos têm que tomar mais uma dose de reforço.

 

 “É extremamente importante todos cumprirem o calendário de vacinação, já que a Covid veio para ficar é só é controlada com vacina, cuja eficácia evita complicações”, reiterou.  

 

Vale lembrar que a partir de março, além da dose de reforço da vacina da Covid, em Araraquara também será aplicada a vacina contra a H1N1, ou gripe, que também é fatal, segundo Eliana.

 

Sobre a vacina da Dengue, Eliana disse não haver previsão de chegada em Araraquara. Acrescentou que o Ministério da Saúde fez a aquisição de toda a produção da vacina japonesa disponível em laboratório, mas são apenas as três milhões de doses disponíveis pela fabricante.

 

Por isso, foram priorizadas pessoas de 6 a 14 anos de idade, porque a eficácia da vacina é melhor nesta faixa etária, em que há mais riscos de complicações com a doença.

 

Foram escolhidos no País os municípios com um número maior de complicações com a Dengue, inclusive óbitos, mas na região de Araraquara nenhum município foi contemplado.  

 

“A gente acredita muito no desenvolvimento da vacina no Brasil, no Instituto Butantã, com eficácia em todas as faixas etárias, ao contrário da vacina japonesa, restrita dos 6 aos 14 anos de idade”, disse Eliana.

 

 

Boletins

 

Diante das dificuldades que a população tem em obter as informações corretas sobre Dengue e Covid, muitas vezes passadas por órgãos não responsáveis oficialmente, a partir desta segunda-feira (26), às 13h, a Prefeitura de Araraquara voltará a divulgar em suas redes sociais os Boletins sobre as duas doenças, com Eliana Honain.

 

“Como Secretária Municipal de Saúde, sou a responsável pelo controle da Dengue e da Covid no município, e também responsável por dar as informações para a sociedade de Araraquara, tanto para a população como para a imprensa”, enfatizou Eliana.

 

Conforme acrescentou, será muito importante repassar diariamente as informações corretas, reivindicadas, inclusive, pela própria população. “Não será apenas o Boletim sobre a Covid, mas também informações sobre a Dengue, com verdade e transparência”, resumiu.

 

Ao vivo

O programa "Canal Direto com a Prefeitura" vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 12h30, ao vivo, na página da Prefeitura no Instagram. A íntegra dos programas fica disponível para visualização no próprio Instagram, no Facebook e em outras plataformas digitais, incluindo o formato de podcasts.

 

Foto: Divulgação